Olivete Salmória
salmoriaolivete@gmail.com


Parceiros

lages.png

 

lages_parque_jonas_ramos_peq.jpg

 

Arquivo

 
"De médico e louco, todo mundo tem um pouco", diz Coruja

unnamed_10.jpg

 

O deputado Fernando Coruja (PMDB) se manifestou sobre o fato de ter sido chamado de "louco" pelo governador do estado, durante encontro político na região serrana.

Coruja disse que o conceito de loucura tem mudado ao longo do tempo, Coruja mostrou que o manual americano DSM-5, traz cerca de 300 diferentes transtornos mentais "e podemos dizer que todo mundo tem um pouco de cada coisa".

Lembrando uma frase do lageano Rogério Castro -  "aqui em Lages metade é louco e a outra metade pensa que não é", Coruja disse que "ser chamado de louco não me ofende, eu de certa forma estou lá mesmo, na loucura!" 

 

Para o deputado Coruja "este argumento do governador é uma falácia, porque o que não é normal é não aceitar as críticas que aqui são feitas".

Lembrou a filósofa Márcia Tiburi, que diz que "a personalidade autoritária não reconhece nada fora dela mesma. Nada pode ser contra seu modo de pensar, de sentir e de ver o mundo. O que o eu autoritário quer é impor-se como centro do universo".

Para Coruja, não basta desqualificar o autor das críticas. "O que me parece ser uma loucura é tomar um empréstimo de R$700 milhões, com um ano de carência e quatro anos para pagamento, e distribuir aos municípios. Isso não vai resolver os problemas de Santa Catarina", disse o parlamentar, lembrando que a audiência pública para discutir a questão da saúde, agendada para esta quarta-feira, foi cancelada.

"Não quero aqui discutir a minha saúde mental, quero discutir as contas públicas, a situação da saúde e da segurança. O resto é loucura para se conversar em mesa de bar", finalizou Coruja ressaltando que "afinal de médico e louco, todo mundo tem um pouco".

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar Código