Olivete Salmória
salmoriaolivete@gmail.com


Parceiros

lages.png

 

lages_parque_jonas_ramos_peq.jpg

 

Arquivo

 
Campanha não será fácil, o povo está cansado de falcatrua e não poupa ninguém da vaia

Nem sabemos ainda como serão as normas para as eleições do ano que vem, embora o tempo para que se proceda as mudanças esteja se esgotando sem que o Congresso consiga entrar em acordo para alterar ou incluir regras. Mas, sabemos que não será uma disputa fácil especialmente para quem pretende se candidatar pela primeira vez a um novo cargo e por siglas menores.

Não será uma campanha fácil porque além das restrições com relação a doações de campanha, o eleitor está decepcionado e intolerante com relação aos políticos. Uma mostra disso já podemos ver por exemplo com o que aconteceu no sábado, no jogo final das Leoas da Serra, no Jones Minosso.

Lá estavam mais de 4.500 pessoas e a vaia pegou geral do prefeito Antônio Ceron a vereadora Aidamar Hoffer e mesmo a deputada Carmen Zanotto. Sobrou até para o governador Raimundo Colombo que nem lá estava.

Pela impossibilidade de separar o joio do trigo, o eleitor coloca todos na mesma vala e quer distância da política e dos políticos.

Mas, contraditoriamente, isso não facilitará para o surgimento de novas lideranças locais. Em se tratando da campanha a deputado estadual há possibilidade de se manter duas cadeiras, desde que não surjam muitos candidatos para dividir os já poucos votos da serra.

Há grande probabilidade da reeleição de Gabriel Ribeiro, pois além do apoio já evidente da administração local, expandiu sua área de atuação além Serra.

De outro lado, o PMDB estando no comando estadual a partir do início do ano deverá favorecer também o candidato do partido, que pelo visto será mesmo o ex-prefeito Elizeu Mattos. Já que o atual deputado Fernando Coruja não vai à reeleição. Pode sair como candidato a deputado federal, mas acredito mesmo que acabará aceitando uma suplência ao Senado.

Existem outros se ensaiando como candidatos, mas com pouca densidade eleitoral para enfrentar uma eleição como a que virá.  

 

Já quanto a eleição a deputado federal as dificuldades são maiores. Alguém confidenciava que até os candidatos a candidato se recolherão, diante da invasão dos paraquedistas. Quase todas as lideranças e cabos eleitorais do PMDB, por exemplo, já estão comprometidos com candidatos de outras regiões. Nos demais partidos também não é diferente.

A menos que o PPS de Carmen Zanotto consiga amarrar apoios ou que mude de partido, sua reeleição está ameaçada, independentemente do bom desempenho que tem mostrado como representante da região. Não irá contar com o amplo apoio de todas as correntes da última eleição.

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar Código