Olivete Salmória
salmoriaolivete@gmail.com


Parceiros

unnamed_38.jpg

 

251.jpg

 

unnamed_18.jpg

 

Arquivo

 
Ainda sobre a construção das passarelas na BR 282

Quando questionei o custo das passarelas da BR 282 houve quem atribuísse esta avaliação à minha ignorância do projeto, uma vez que são necessárias desapropriações.

Pois Bem! Das cinco passarelas apenas duas necessitam de desapropriações: a que fica entre os bairros Frei Rogério e Passo Fundo e da Campos Sales.

Veja o que diz o projeto com relação a primeira:

Passarela dos Bairros Frei Rogerio/Passo Fundo

De acordo com o Ofício nº 0066/2015 da Prefeitura Municipal de Lages, o estudo definiu a implantação da segunda passarela, entre os Bairros Frei Rogerio e Passo Fundo. A obra será construída no local onde existe uma rua implantada, em um dos lados, em nível mais alto que a rodovia, o que eliminaria a execução de uma das rampas.

Do outro lado da pista, segundo a Prefeitura, para a instalação da rampa de acesso, há necessidade de desapropriação de um terreno (gleba com mais de 10.000,00 m²). Porém, definiu-se a desapropriação somente da área mínima necessária à implantação da passarela.

Portanto a desapropriação é de apenas o espaço ocupado pela rampa.

No caso da segunda:

 

Passarela da Rua Campos Sales

De acordo com os Projetos Técnicos apresentados pela Prefeitura Municipal de Lages (Ofício nº 0066/2015, de 10/04/2015), para a implantação dessa passarela, há necessidade de desapropriação de terrenos lindeiros à rodovia, pois os passeios existentes são estreitos (menores que 2,00 m de largura) e não existem espaços livres no trecho para execução da obra.

Dessa Forma, definiu-se a posição mais próxima do ponto de passagem, paralelo a Rua Campos Sales, com a implantação em terrenos que, de acordo com a Prefeitura, embora contenham construções, essas estão desocupadas e em mau estado de conservação. 

 

Sem título_6.jpg

Portanto, embora haja custo de desapropriação, não deverá ser tão significativo assim. E mais, a empresa é contratada para execução da obra e não cabe a ela custear as desapropriações.

Para aqueles que não acham caro pagar R$ 1,15 milhão por uma passarela, deve achar que a empresa vencedora da revitalização do Terminal Rodoviário D. Honorato Piazzera jamais conseguirá fazê-la com apenas R$ 500 mil. E mesmo aquele projeto de reevitalização do Mercado Público também é impossível ser executado por R$ 6,6 milhões.

E para aquele que querem ser politicamente corretos e dizem que salvando uma vida que seja já justifica o preço, tenho a dizer que: esta pessoa não acha errado que o governante roube, faça trapaça e engane desde que faça obras.

 

Terça, 26 de Junho de 2018 12:51
Escrito por: Olivete Salmória | Última atualização em Terça, 26 de Junho de 2018 16:16

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar Código